#AT105 – Construção Social de Mercados

Construcción de Mercados

Dia 15 | 10h00 – 12h00 | AUDITÓRIO JATOBÁ | #Agroecologia2017

Responsável(is): Sérgio Schneider (PGDR/UFRGS); Silvio Porto (ex diretor da CONAB – PAA); Andrea Zimmermann (CSA Brasil). Mediadora: Renata Navega

Arquivos:

Live de formas alternativas de comercialização dos produtos do seu SAF!!!! Construção social de mercados.Com Sérgio Schneider (PGDR/UFRGS) Silvio Porto (ex Diretor da CONAB -PAA)Andrea Zimmermann (CSA Brasília) e Renata Navega (CSA Brasília)#agroflorestadofuturo #congressoagroecologia2017 #xcongressobrasileirodeagroecologia #agroecologia2017 #agriculturasintrópica #CSA #CSABrasília

Posted by Agrofloresta do Futuro on Friday, September 15, 2017

Relato
A mediadora Renata Navega inicia a fala com a pergunta: O que te levou a estar na sala de construção social de mercados?

A atividade é discutida em dupla pelo público. Duas duplas comentam a resposta:

Alsimar e Daniela: destacam o encontro entre o agricultor de cabras e a vigilante sanitária; comentam as barreiras institucionais da pequena agricultura; sua expectativa é saber como o produto artesanal chega à mesa do consumidor.

Rodrigo e Fabiano: demonstram preocupação com a agricultura orgânica e a burocracia do selo de orgânico; têm expectativa de conhecer mais sobre o tema e compartilhar o que sabem.

Sergio Schneider: – Professor de pós-graduação em Desenvolvimento Rural da UFRGS

O palestrante inicia sua fala com uma exposição acerca dos diferentes conceitos de mercado:  mercado como espaço físico (espaço de compra); mercado como destino comercial (um lugar para o qual alguém envia um produto que será comercializado) e mercado no sentido abstrato (como aparece nos telejornais). Afirma que quando se fala em mercado, pensa-se em sociedades mercantilizadas (sociedades ocidentais com valores de uso e de troca, mercados impessoais) e não-mercantilizadas (sociedades indígenas, sociedades antigas, troca direta); Sérgio passa por esses conceitos para chegar à definição de mercados (no plural) e trazer clareza de que existem diversas formas de troca (mercados) e que o capitalismo é apenas uma forma.  Ressalta que o capitalismo é baseado no individualismo, livre compra e venda e concorrência enquanto as trocas podem também ser centradas na reciprocidade (igualdade, comunitarismo, solidariedade, parentesco, cooperação) e na redistribuição (centralidade, hierarquia, etc.). Traz então a definição de mercado como: “Relação social entre dois agentes cujo sentido é satisfazer os interesses econômicos ou outro através da troca”. Passa rapidamente pelas definições de mercado das teorias clássicas para chegar ao mercado como construção social que tem a seguinte origem: resistência e/ou oposição aos mercados hegemônicos; exclusão – social/econômica; luta social e luta por autonomia. Aponta as seguintes características dos mercados imersos “socialmente construídos”: as interações – com Sociedade/Mercado e com o Estado funcionam com distintividade – por produto, por processo, por lugar produzido; há atuação em redes – relações com consumidores; baseados na territorialidade e identidade social dos atores; atuam em forma de cadeias curtas; formalidade e informalidade andam juntas. Em seguida, o palestrante dá exemplos de mercados imersos (os socialmente construídos) e segue para uma classificação (dele mesmo) com cinco tipos de mercado: 1-O personalizado; 2- Personificados - face-a-face, fair trade; 3-Proximidade- feiras, sacolão; Institucionais- licitação, leilão, edital; 4-Centralizados -integradoras, cooperativas; e os 5-Convencionais - atravessador, comércio.

Ele finaliza colocando algumas questões e perigos para o debate atual:

- Forte insistência e tendência nos canais locais de comercialização dos produtos agroecológicos. “Por que eles devem estar inseridos somente nos mercados locais”?

- Restrições e tentativas de evitar canais tradicionais como o supermercado. “Será que não”?

- Tendência geral de feiras diretas (porta a porta) ou pela internet como principais canais de venda de produtos agroecológicos.

- Localismo: ele afirma que o sujeito cria o local e os novos entrantes são barrados sugerindo localismo defensivo e não democrático. “O local tem limites, sobretudo o tamanho da demanda. Se eu discutir a produção orgânica somente para os mercados locais impeço o crescimento dos produtores...não espraia os produtos para além do local, não se discute o alcance da agroecologia. Existe uma questão entre aumentar a oferta e crescer a dependência: crescer ou ficar como está”?

- Como fugir dos nichos – elitização do consumo via renda.

- Interfaces dos mercados agroecológicos. “Com os outros mercados pode haver coexistência”?

Sílvio Porto – Consultor Internacional em Segurança Alimentar

O palestrante inicia a fala afirmando que as relações de mercado são relações de poder que estão conectadas a um sistema agroalimentar, diferenciando assim mercado capitalista de regime capitalista. Explica o Codex Alimentarius, código que determina o padrão de alimentação e consumo que foi aderido por 187 países e que embora, a adesão seja voluntária, é obrigação dos países signatários adotarem as medidas no interior das suas respectivas legislações.  Em seguida, mostra alguns dados sobre o lucro de supermercados no Brasil. De acordo com os dados apresentados por Sílvio, esse setor movimenta R$ 315 bilhões de reais por ano (dessa soma, 2/3 pertencem a três empresas – Carrefour, Wallmart e Pão de Açúcar). Ressalta que um dos princípios do mercado neoliberal é a autorregulação: “talvez isso sirva para o capitalismo, mas, não para os mercados sociais”. Afirma que pela autorregulação cada um deveria ter as possibilidades de escolha para permitir que se constituíssem os códigos, os padrões; traz a Rede Ecovida como exemplo. É particularmente crítico à inserção da produção agroecológica e de orgânicos nos supermercados. Acredita que deixa de ser uma construção agroecológica e passa a ser uma relação mercantil. “É importante avaliar o nível de subordinação que as organização e associações se colocam” ressalta. Questiona quais são essas relações e qual é o contrato que o supermercado está estabelecendo com esses produtores. Enfatiza que se três grandes redes representam o que circulam no mercado alimentar (entre outros produtos) há um poder muito grande no sentido de formar hábitos e desestruturar economias regionais. “Como são então as relações com uma pequena cooperativa de leite, ou quem fornece frutas e hortaliças?”, pondera. Acredita na descentralização como um elemento para construir novas dinâmicas, na aproximação entre atores (produção e consumo), nas relações de confiança e de reciprocidade, na relação de proximidade (saber de onde vem e quem produz o alimento), mesmo que ele seja consumido à distância e, por último, na autonomia.

Andreia Zimmerman: agricultora e membro da CSA (Comunidade que sustenta a agricultura) Toca da Coruja, Lago Oeste, DF:

A palestrante narra um pouco da sua trajetória pessoal e de forma bem didática (a partir de charges e outras imagens) coloca como a escassez de recursos pode levar à construção de uma rede de pessoas que buscam se orientar de forma diferente par solucionar problemas. Define o CSA como uma comunidade que reestabalece a conexão em uma lógica da abundância pelos princípios da cooperação, solidariedade, empoderamento, respeito, confiança e satisfação mútua de necessidades. Traz um pouco da história dos CSAs no mundo dizendo que não necessariamente os CSAs fortalecem a agricultura familiar e a produção orgânica: “isso é algo que acontece no Brasil”, afirma. Explica o funcionamento de um CSA na prática: procura por um agricultor que levanta o custo de produção; o agricultor ganha o quanto ele acha justo e o quanto o grupo acorda contribuir; ele apresenta tudo que pode organizar e plantar e se compromete com um prazo; o termo de compromisso é firmado entre 6 meses e 1 ano; é necessário aceitar os produtos de alimentos da época; é pactuado entre o grupo arcar com um custo compartilhado dos riscos; o valor é definido antecipadamente  o valor é negociado na cota. Ela ressalta que são definidas também as cotas sociais – quem pode pagar mais e quem não pode pagar esse valor. Enfatiza que é uma comunidade que se estabelece em cooperação. Há um trabalho voluntário para organizar as atividades da comunidade como colheitas semanais e entrega de uma cesta com cerca de dez itens em um ponto de convivência. Aponta que a proximidade da terra e das relações que se estabelecem também influencia na formação da comunidade. “Cada comunidade cria sua escultura social”, afirma. Por fim, Andrea levanta os desafios dos CSAs:

- Formar comunidade, que requer vínculo, dedicação e tempo do estabelecimento do vínculo, para as pessoas descobrirem o que as aproximam.

- Compromisso e rotina de longo prazo. “Às vezes esse formato não se adequa à rotina da pessoa. Se ela não cozinha em casa, quando e como vai cuidar dos produtos? Assim, a rotatividade na comunidade se torna um desafio”, pondera.

- Produzir com a variedade necessária 12 meses por ano: sazonalidade x expectativas.

- Internalizar a cultura do apreço. “As pessoas ainda estão na transição e têm dificuldade de sair da relação de consumidor para co-agricultor.

- CSA não é a solução para todos os agricultores e para toda a produção. “Às vezes o agricultor vai estar na feira, produzindo... tem outros fornecedores para abastecer”.

- CSA não se adequa a todas as pessoas. Há diversas formas de comércio justo e solidário.

Foto da atividade:

*** Participe da construção da memória do congresso! Registre suas impressões e sugestões no campo de comentários abaixo. ***

Publicado por

Juliana Caceres

Olá, Meu nome é Juliana, toco em uma orquestra de maracatu. No momento, estou trabalhando como autônoma e estou no processo de construção de um sonho coletivo que a Ecovila Conviver. Recentemente, me iniciei no plantio de ervas medicinais e na ginecologia autônoma. Muito feliz de poder fazer parte da equipe de voluntários. Axé!

Deixe uma resposta