VISITA 11. CENTRO DE EDUCAÇÃO POPULAR E AGROECOLOGIA GABRIELA MONTEIRO (MST)

Local de saída: Centro de Convenções Ulisses Guimarães Local da visita: Brazlândia DF
Dia da visita: 16/09 Saída: Ulisses Guimarães – 7h Retorno: Ulisses Guimarães – 17h:30min.
Quilometragem ida e volta: 130 km
Quantidade mín. de participantes: 20 Quantidade máx. de participantes: 25
Temáticas da visita: 1. Políticas Públicas e Conjuntura 2.  Juventudes e Agroecologia 3. Campesinato e Soberania Alimentar 4. Construção do Conhecimento Agroecológico 5. Manejo de Agroecossistemas e Agricultura Orgânica 6. Agrotóxicos e Organismos Geneticamente Modificados
Atividades da visita: – Recepção e apresentação; -Reforma Agrária Popular; – Método pedagógico MST; – Princípios de SAF’s ; – Planejamento do plantio de SAF – Mutirão de Plantio no SAF do assentamento;
O participante deverá trazer kit militante: – Os participantes devem trajar vestimentas adequadas para mutirões ao ar livre, como sapatos fechados, calça comprida, usar chapéu ou boné, etc. – Utensílios para a alimentação (prato, talher e copo); – Bloco de anotações e canetas;
VALOR R$ 90,00 – Incluso café da manhã, almoço e lanche;

Nota sobre a visita

Agroecologia e Reforma Agrária são dois temas intimamente relacionados. Apesar da produção atual de comida ser suficiente para alimentar toda a humanidade, uma em cada sete pessoas no mundo passa fome, segundo informações do Relatório anual da agência da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). Nesse mesmo contexto, no Brasil menos de 1% dos proprietários agrícolas possui 45% da área rural do país. Os dados nos mostram que tão concentradas quanto a terra do agronegócio, estão também a distribuição e o acesso à alimentação em nível global.

Esse cenário de crise alimentar pede a urgência de uma alternativa que não se limite apenas à produção, mas atente para problemas sociais estruturais.É nesse contexto que o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST, ao construir o seu programa de Reforma Agrária Popular propõe um modelo de produção baseado na agroecologia, consolidando o papel crucial dos assentamentos na produção de alimentos saudáveis, em larga escala e a preços justos, para alimentar a população brasileira e assegurar a autonomia da agricultura familiar e camponesa.

No site do evento: link

Deixe uma resposta